fbpx

AM: Justiça Federal inocenta Governo em ação por improbidade administrativa na ‘crise do oxigênio’ 

por Raphael

O juiz federal Diego Leonardo Andrade de Oliveira, da 9ª Vara Cível da Seção Judiciária do Amazonas, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, julgou improcedente a ação de impobidade administrativa movida em decorrência da crise de oxigênio que assolou o Amazonas no segundo pico da pandemia de Covid-19 no Estado, ocorrido em janeiro de 2021.

De acordo com o magistrado, a ação “possuiu objeto totalmente diferente do presente feito. Consoante a respectiva petição inicial, a ACP visa o ‘fornecimento e distribuição equânime de gás oxigênio medicinal às unidades de saúde do Amazonas e transferência dos pacientes da rede desabastecida para outros estados’, sem guardar relação direta com a responsabilização por ato de improbidade administrativa“.

Leia mais: White Martins nunca alertou Governo do Amazonas sobre possibilidade de desabastecimento de oxigênio

Eram réus na ação o então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, colaboradores da pasta, como Mayra Isabel Correia Pinheiro, Luiz Otávio Franco Duarte e Hélio Angotti Neto. A nível estadual, o ex-secretário de saúde Marcellus José Barroso Campelo e o coordenador do comitê de crise do Amazonas, Francisco Ferreira Máximo Filho, também foram inocentados.

Segundo o juiz, “as condutas descritas na
petição inicial não se amoldam a nenhuma das hipóteses previstas nos incisos artigo 11 da Lei de Improbidade Administrativa (LIA). Não cabe recurso à decisão, que pode ser lida abaixo.

Talvez você possa se interessar

Quem Somos?

Somos jornalistas especializados em cobertura policial. Estamos no rastro dos crimes, acidentes e de todos os fatos policiais. Nós podemos até errar, mas tenha certeza que iremos corrigir!

©2022 Todos os Direitos Reservados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia Mais